(41) 3012-7000 OU 0800 724 2288

A FADIGA E SEUS TERRÍVEIS SINTOMAS

A fadiga é muitas vezes considerada como parte normal da vida cotidiana agitada e desgastante, podendo ser significar a existência de um verdadeiro problema de saúde ou até mesmo de uma doença crônica grave.

Existem vários tipos de fadiga. A fadiga muscular, também chamada de fadiga física, a fadiga mental ou psicológica e a fadiga sensorial (principalmente auditiva e visual). Quando o estado de fadiga se prolonga, ele deve ser levado a sério e, às vezes, ele pode ser submetido a investigações complementares para determinar a causa.

A fadiga muscular tem duas origens diferentes:

– uma é central, ou seja, ela surge a partir de comandos musculares no nível do cérebro;

– a outra, é periférica, ou seja, ela surge no nível dos músculos e se refere a mecanismos que são responsáveis pela contração muscular. A fadiga que sentimos diariamente é do tipo periférico.

É preciso diferenciar astenia de fadiga, embora esses dois conceitos sejam muitas vezes confundidos. A astenia é uma sensação de esgotamento com antecipação sobre a próxima atividade. No que lhe diz respeito, a fadiga é normal e fisiológica. O que é anormal é a fadiga prolongada. Fala-se de fadiga crônica quando esse sintoma dura mais de 6 meses.

A fadiga muscular

A fadiga muscular é frequente e é facilmente explicada. No nível muscular, para produzir energia necessária para a contração muscular e eliminar os resíduos que resultam, diversos eventos serão interligados.

A fadiga muscular depende de dois fenômenos metabólicos diferentes: uma diminuição do fornecimento de energia e uma modificação do equilíbrio eletroquímico da célula muscular.

Dependendo do tipo de esforço, os mecanismos implementados são diferentes, pois eles usam fibras musculares diferentes:

– as fibras do tipo II B cujo metabolismo está centrado em açúcares: elas são utilizadas em esforços curtos e intensos;

– as fibras do tipo I e II Ad cujo metabolismo é baseado no uso do oxigênio; elas são utilizadas em esforços de intensidade moderada e de longa duração.

Em caso de esforço curto e intenso, a fadiga é o resultado da insuficiência de liberação de cálcio que provoca um aumento da acidez nas células musculares e a acumulação de resíduos como a amônia e o lactato e cujos efeitos nocivos são reais.

Em caso de esforço prolongado, a fadiga está diretamente relacionada a uma diminuição ou ausência dos estoques musculares de glicogênio que é o componente energético assegurando o funcionamento muscular. No entanto, este glicogênio, por mais essencial que seja, não é o único responsável: a desidratação (falta de água), a hipoglicemia (falta de açúcar) e a hipertermia (temperatura muito elevada) poderiam ter um papel importante nesse fenômeno de esgotamento muscular, precedido pela sensação de fadiga.

Em todos os casos, a atividade muscular intensa consome energia o que resulta como em qualquer processo energético, na produção de detritos.

Os chamados detritos metabólicos, compostos essencialmente de lactato e amônia, bloqueam os sistemas produtores de energia e os sistemas de eliminação. A impossibilidade progressiva em trazer mais energia envolve inevitavelmente a parada do esforço.

Esses detritos acumulados no organismo em doses tóxicas podem ser transportados para o cérebro e, em seguida, serem responsáveis por sensações de desconfortos e de fadiga geral, para além da simples fadiga muscular local.

A fadiga muscular varia em função dos músculos envolvidos e das fibras que os compõem: certas fibras musculares são utilizadas durante esforços breves e intensos enquanto outras toleram mais facilmente os esforços prolongados.

O treino físico permite também melhorar a resistência à fadiga ao:

– aumentar as capacidades de armazenamento de glicogênio;

– desenvolver a circulação sanguínea, o que significa a possibilidade de trazer mais rapidamente a energia no nível muscular caso a demanda aumente;

– melhorar os processos de tratamento de detritos e sua eliminação.

CAUSAS DA FADIGA

A fadiga pode ser de origem física, mental ou sensorial.

O único ponto comum entre os diversos tipos de fadiga é uma solicitação muito importante em relação à capacidade em realizar um trabalho físico, em subir uma pressão mental ou adquirir informações sensoriais, seja auditivas ou visuais.

Por conseguinte, todos os tipos de fadiga têm em comum um desequilíbrio entre o gasto a ser fornecido e os meios disponibilizados para remediar este gasto de energia.

Certas situações fisiológicas levam a um aumento das necessidades.

É o caso, por exemplo, da gravidez que resulta em alterações nas principais funções fisiológicas do organismo e, por conseguinte, das necessidades mais importantes. A fadiga ressentida por mulheres grávidas, uma vez eliminadas todas as patologias que podem ocorrer durante a gravidez, pode estar diretamente relacionada a uma insuficiência de contribuições.

Outro exemplo de necessidades não satisfeitas e fontes de fadiga entre as mulheres: a carência em ferro que nas mulheres menstruadas resulta em perdas mensais não compensadas. As mulheres que não compensam estas perdas de sangue por uma dieta equilibrada têm carências em ferro (conhecidas como deficiências em ferro) que se traduzem, entre outros sinais, por uma fadiga importante. De acordo com várias pesquisas, a frequência desse déficit é elevada e poderia afetar de 10 a 15 % da população.

A fadiga é um componente subjetivo e pessoal. Ela faz parte de critérios importantes de episódios depressivos importantes, sendo que algumas pessoas apresentam depressão e não podem nem levantar da cama e nem se locomover e, no entanto, não possuem problema físico.

Por outro lado, nem toda fadiga é obrigatoriamente associada a uma síndrome depressiva. Uma fadiga que se estende sem nenhum motivo aparente, sem sinal especial, deve no entanto rememorar  uma depressão.

Distúrbios do sono e fadiga

Os distúrbios do sono costumam ser a causa de uma fadiga crônica. Qualquer anomalia do sono que não permita uma recuperação correta do organismo terá impacto sobre a fadiga.

O sono é construído em torno de ciclos chamados circadianos (de 24 horas) denominados também de ciclos de vigília/sono. Estes ciclos estão próximos de nossa temperatura que varia de acordo com a hora do dia e o da secreção de hormônios que assegura o equilíbrio do organismo.

Uma dessincronização de alguns desses ritmos pode ter uma influência real  sobre a fadiga que é ressentida de forma mais rápida; os esforços necessários para cumprir uma tarefa são portanto mais cansativos que em condições usuais.

As duas principais patologias do sono que causam a fadiga são a apneia do sono e a narcolepsia (doença de Gelineau).

A síndrome da apneia do sono é caracterizada por um estado de fadiga intensa ao acordar, associado a episódios de sonolência durante o dia. À noite, o ronco é muitas vezes importante e pode haver pausas na respiração com uma recuperação inspiratória alta.

Por sua vez,  a narcolepsia resulta em sonolência súbita e às vezes, em alucinações.

Fadiga e idade

A fadiga é uma das queixas mais frequentes feitas por pessoas idosas. Com a idade, é possível encontrar diversas situações que podem ser a causa de uma fadiga. Pode ocorrer:

– uma redução da força muscular, o que leva para o mesmo nível de exercício, ao aumento de necessidades energéticas;

– uma diminuição das funções cardiovasculares e pulmonares, o que limita, ao mesmo tempo, o fornecimento de energia e as capacidades de eliminação de resíduos;

–  problemas de desnutrição;

– uma falta de substâncias de energia devido a erros nutricionais;

-uma perturbação na absorção de alimentos, quer estejam em relação com alterações associadas ao envelhecimento ou com problemas resultantes de ingestões excessivas de medicamentos.

Além disso, nas pessoas idosas, a redução gradual da atividade física provoca uma diminuição da força muscular e a necessidade de desenvolver um esforço maior para realizar uma atividade física idêntica.

Ela é frequentemente acompanhada por um desinteresse gradual das « coisas da vida » que, sem ir sistematicamente para um estado depressivo, pode resultar em uma fadiga geral.

Mas não se esqueça de que a fadiga da pessoa idosa pode ser o resultado de uma doença real. Certas patologias, mais comuns na vida adulta, podem resultar em manifestações muito gerais em que a fadiga ocupa um lugar de destaque: a insuficiência cardíaca e o hipotireoidismo.

Qualquer pessoa idosa que se queixa de fadiga deve, antes de tudo, ser ouvida por aqueles que a rodeiam. Primeiramente, vamos tentar identificar a causa desta queixa: carências nutricionais, desidratação, distúrbios do sono podem encontrar soluções eficazes.

Enfraquecimento e fragilidade

Os médicos geriatras fazem a distinção entre o enfraquecimento e a fragilidade.

O processo de enfraquecimento corresponde à diminuição das funções fisiológicas (as habilidades motoras, as funções cognitivas, etc.).

Seu risco é a evolução no sentido da fragilidade que é uma alteração das funções do aparelho locomotor, do sistema neuroendócrino e dos processos de proteção imunitária. Portanto, essas alterações já não permitem mais uma resposta adequada para as agressões, sejam elas externas (traumatismos, choques emocionais, declínio social etc.) ou internas (infecções, desidratação, câncer, etc.).

Alguns sinais permitem detectar a fragilidade em idosos. O rastreio permite programar medidas de prevenção antes que determinadas deficiências se instalem, podendo levar a perda de autonomia.

Para isso, existem escalas que avaliam o nível de fragilidade dos idosos. Elas são baseadas em uma série de perguntas que avaliam os elementos que determinam a fragilidade em idosos.

Quais são as consequências

As consequências da fadiga são múltiplas.

A fadiga interfere na qualidade de vida, limita as atividades diárias e também pode ser responsável por problemas mais graves: acidentes ou fraturas.

A fadiga muscular pode ter consequências:

– sobre a precisão com que os gestos são realizados;

– sobre a capacidade em realizar esses gestos.

Esta fadiga pode ser responsável por quedas ou fraturas chamadas « de fadiga ».

A fratura da fadiga é a tradução da solicitação importante e repetida a qual um osso normal é submetido sob o esforço prolongado e muito intenso. Essas fraturas ocorrem nos ossos saudáveis sem que haja traumatismo. Essa fadiga também pode ser aumentada por uma troca de superfície de evolução quando na prática de um esporte (passagem para uma superfície dura), ou pelo uso de calçados defeituosos. A localização desse tipo de fratura está, evidentemente, totalmente ligada ao tipo de esporte praticado.

A principal característica dessas fraturas é fornecer uma dor muito progressiva e raramente repentina, que ocorre durante o esforço e desaparece em repouso. Aos poucos, a intensidade aumenta e a cessação do esforço é obrigatória. O prognóstico de cura dessas fraturas é geralmente correto desde o momento em que foram levadas em consideração e se o esforço não for contínuo.

Inicialmente, a fadiga mental leva ao comprometimento das funções intelectuais em particular no que se refere a tempos de reação aumentados e uma capacidade inferior para processar informações e problemas: é o que se chama de alteração das funções cognitivas. Muitas vezes, esta fadiga mental é associada com a alteração de funções sensoriais, notadamente auditivas e visuais: desta vez, trata-se da capacidade de aquisição das informações, ou seja, da percepção de ambiente que é alterada.

A fadiga também tem uma implicação muito forte na ocorrência de acidentes da circulação. Dirigir requer um nível de consciência adequado e uma atenção constante: estas duas habilidades são prejudicadas quando estamos cansados e esse fenômeno pode ser a causa de acidentes assim como a fadiga visual, especialmente ao dirigir à noite ou no período de crepúsculo.

 

Fonte: Saúde 247
Matéria completa: https://www.brasil247.com/pt/saude247/saude247/201238/Fadiga-f%C3%ADsica-mental-ou-sensorial-ela-pode-significar-uma-doen%C3%A7a-grave.htm

Share this post
  , , , ,


Deixe uma resposta